compartilhamento de informações

Como o compartilhamento de informações tem influenciado as crianças?

Os dispositivos digitais e a internet têm enorme potencial para a aprendizagem. Apesar disso, o compartilhamento de informações intenso nesses espaços merece atenção dos adultos para que não seja prejudicial para crianças e adolescentes. Isso porque, existem cuidados a serem observados em relação à segurança e às relações interpessoais dos pequenos.

Neste contexto, é preciso que os pais observem como é o uso e intervenham sempre que necessário. Dessa maneira, a família garante que ferramentas tão potentes para enriquecer o desenvolvimento não se tornem um problema.

Quer saber mais sobre o impacto do compartilhamento de informações para os jovens? Então, continue a leitura para conferir.

Como o compartilhamento de informações afeta as relações interpessoais de crianças e adolescentes?

A infância e adolescência antes da expansão da internet eram muito diferentes do que se experimenta atualmente. Se antes era comum as crianças brincarem na rua, hoje em dia é frequente que elas prefiram gastar seu tempo de lazer diante das telas.

Um dos motivos para essa atração ser tão grande é o estímulo à curiosidade que os aparelhos oferecem, especialmente por conta do intenso compartilhamento de dados. Do mesmo modo, possibilitam novas formas de relacionamento interpessoal, que tendem a ser muito convidativas. Com isso, os filhos podem passar horas em redes sociais e se até mesmo sentirem insatisfação em atividades offline.

O impacto para os relacionamentos interpessoais está justamente nessa dificuldade de viver experiências que não dependam da internet. Deixar de dar atenção para as relações presenciais para responder mensagens no smartphone é um sinal de alerta de que o uso do aparelho está afetando a vida social. Similarmente, a necessidade de compartilhar todas as experiências é um ponto de atenção.

Pela socialização que esses espaços virtuais proporcionam, é possível que se tenha a sensação de que o contato com outras pessoas, essencial para o desenvolvimento humano, está preenchido. Porém, conseguir apreciar conversas e programações prazerosas sem a internet também é muito importante. Por isso, a família deve intervir para buscar o equilíbrio.

Por que adultos precisam limitar o uso de redes sociais?

Como vimos, as redes sociais é um espaço onde o compartilhamento de informações é mais intenso, podendo afetar os relacionamentos interpessoais. O impacto em crianças e adolescentes pode ser ainda mais marcante, pois é a fase da vida em que estão reforçando os seus vínculos e desenvolvendo a sua sociabilidade.

Além disso, a segurança dos filhos nesses meios é um fator de grande importância. É fundamental orientá-los sobre a atenção com as informações que compartilham nas redes e quais nunca devem ser passadas a ninguém, exceto com autorização dos pais.

O cyberbullying é um exemplo de desafio que merece atenção dos adultos. Também é importante filtrar o que eles acessam, como forma de garantir que não consumam conteúdos inadequados à idade.

Vale destacar que os recursos digitais têm um enorme potencial para a aprendizagem e podem ser muito saudáveis para crianças e adolescentes. No entanto, é fundamental que o contato seja seguro e que haja equilíbrio com outras atividades. Você pode conferir se a escola do seu filho conta com projetos de cultura digital, pois são excelentes para educar sobre o bom uso da tecnologia e da internet.

Como estimular os filhos fazerem bom uso das redes sociais?

A família pode adotar alguns cuidados na rotina que ajudam a trazer mais segurança e moderação. Confira algumas dicas para estimular o uso consciente das redes sociais.

Deixe o computador em áreas comuns

Deixar o computador em áreas comuns, como a sala da casa, é uma alternativa para saber se o seu filho acessa sites seguros e navega nas redes sociais conforme o que foi combinado com os pais. Quando o celular entra em cena o desafio é maior. Uma alternativa é acordar horários específicos para seu uso.

Verifique as restrições de idade de cada site

Cada rede social tem a idade mínima para uso, o que considera os conteúdos que podem ser compartilhados nas plataformas. Assim, antes de autorizar seu filho a ter uma conta em algum desses sites, é fundamental avaliar a classificação. Confira a regra para as redes sociais mais populares:

  • Facebook, Instagram, Pinterest, Snapchat, Twitter — a partir dos 13 anos;
  • YouTube — o site autoriza a criação de conta apenas a partir de 13 nos, mas existem conteúdos infantis que podem ser acessados com acompanhamento dos pais;
  • WhatsApp — a partir de 16 anos.

Fortaleça o diálogo

Mais importante que as regras para o uso da internet é manter o diálogo sobre os riscos do uso das redes sociais. É essencial que a família converse com a criança ou adolescente sobre a necessidade de se cuidar nesses espaços. É ótimo que possa contar com o apoio da escola para isso.

É interessante que os adultos também procurem moderar o próprio uso do celular e o compartilhamento de informações nas redes, pois demonstrarão que também seguem cuidados nesses espaços.

Organize as atividades na rotina

Para garantir o equilíbrio entre atividades na internet e experiências offline, um bom caminho é organizar a rotina. Assim, você determina horários específicos para o contato com as telas e proporciona outras vivências essenciais para o desenvolvimento.

Quais as consequências do uso excessivo de redes sociais?

É preciso salientar que, além dos riscos e do impacto nas relações interpessoais, o uso excessivo das redes sociais também traz algumas dificuldades físicas. As longas horas na mesma posição podem provocar dores em mãos e punhos, além de desconfortos no pescoço e nos ombros. Ainda, é possível observar alterações no sono e transtornos psicológicos.

Os olhos também são bastante afetados. Eles podem apresentar vermelhidão, ardência e sensação de vista cansada. Da mesma forma, tendem a intensificar problemas de vista preexistentes, como miopia e astigmatismo. Um incômodo que costuma ocorrer nesses casos é chamado de falsa miopia.

Em conclusão, o compartilhamento de informações é uma realidade no mundo contemporâneo e não há como evitar que os mais jovens façam parte. A internet é um excelente espaço de aprendizagem e de troca de informações. Apesar disso, ter ciência dos riscos envolvidos e observar os cuidados necessários é essencial para garantir a saúde e a segurança do seu filho.

Como é a relação da sua família com as redes sociais? Conte nos comentários a sua experiência.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.