No Brasil, 70% das pessoas de 9 a 17 anos usam a rede mundial de computadores, segundo levantamentodo Comitê Gestor Nacional. A internet possibilita que os jovens tenham acesso a muitas informações e desenvolvam tarefas mais rapidamente, mas os desafios virtuais vão além disso: é preciso driblar os perigos da web na vida dos seus filhos.

Entenda, neste texto, quais são os riscos do mundo online, que facilita o contato com pessoas mal-intencionadas e conteúdos inapropriados para menores de idade. Além disso, descubra por que os pais podem usar estratégias para controlar o uso da internet em casa e como ter uma conversa sobre isso com os jovens sem precisar castigá-los. Comece a leitura agora mesmo para tirar todas as dúvidas sobre o assunto!

Quais são os perigos que a internet oferece aos jovens?

Antes de saber como acompanhar o que seu filho faz na web, é importante identificar por que o ambiente virtual pode ser prejudicial para os jovens. Ao mesmo tempo que a rede de computadores facilita a busca por informações, ela também pode acarretar dependência nos internautas, livre acesso a conteúdos impróprios, contato com pessoas mal-intencionadas e invasão de privacidade, por exemplo.

Para se ter ideia, uma pesquisa feita nos Estados Unidos concluiu que quatro em dez adolescentes já publicaram dados pessoais na internet, quase 70% dos jovens visitaram sites de relacionamento e cerca de 20% das crianças falaram com pessoas desconhecidas em chats.

Preferivelmente, se a criança tem de 9 a 12 anos, acompanhe-a quando ela for usar o computador. Estabeleça igualmente limites para os seus filhos de 13 a 15 anos, seja em relação ao que podem ver, seja restringindo o tempo que passam online.

De toda forma, para impedir que seus filhos sejam expostos aos malefícios virtuais, é preciso ficar de olho na navegação digital deles!

Quais são as situações perigosas com que as crianças podem se deparar na internet?

Para saber como proteger seus filhos dos perigos da internet, é preciso conhecer quais são os riscos. Sabendo o que combater, fica mais fácil impedir que as crianças entrem em determinadas situações. Vejamos algumas delas.

Adicionar desconhecidos nas redes sociais

Ao adicionar um desconhecido a seu Facebook ou Instagram, a criança permite que ele tenha acesso a informações que ela coloca na página. Assim, por meio de fotos e publicações, é fácil descobrir o local onde ela estuda, em que bairro mora, qual é a profissão dos pais e outros hábitos da família.

Desenvolver relacionamento com estranhos

Os predadores online são um dos principais desafios virtuais. Eles são capazes de reconhecer vítimas indefesas e entrar em contato com elas por meio de mensagens instantâneas e salas de bate-papo. Após a primeira conversa, passam a seduzi-las com atenção, ternura e gentileza. Assim, as crianças passam a ver no indivíduo um amigo e confidente, o que pode levar a perigosos encontros.

Clicar em links perigosos

Para adultos, pode parecer óbvio que links que prometem coisas surpreendentes são falsos, mas, para as crianças, que são mais ingênuas, nem sempre. Ao clicar neles, seu filho poderá deixar o acesso livre para hackers invadirem o dispositivo eletrônico e terem acesso a uma série de informações da família.

Ser vítima do cyberbullying

Infelizmente, o bullying não se limita apenas à forma física e verbal. O cyberbullying provoca inúmeras consequências psicológicas às vítimas. Com a facilidade de espalhar informações pela internet, diferentes grupos difamam e ofendem indivíduos de forma oculta. Porém, na maioria das vezes, essas ofensas ultrapassam a realidade virtual e chegam até as escolas, levando jovens a apresentar diferentes patologias psicológicas.

Por que os pais devem acompanhar o que os filhos fazem na web?

Engana-se quem pensa que estar a par do que os seus filhos fazem na web é apenas uma estratégia para mantê-los em segurança. Saber quais são os sites, aplicativos e redes sociais que eles utilizam também aproxima-os da família.

Para manter o contato com os seus filhos e deixá-los mais à vontade, é importante que você demonstre interesse pelo universo deles, descobrindo qual linguajar torna os jovens mais extrovertidos e quais são os produtos culturais que eles têm consumido. Aproximando-se deles, não será necessário criar uma guerra em casa, mas conversar sobre o real motivo de tomar cuidados na internet.

Como acompanhar o que os filhos fazem online?

Está claro que a web pode ser uma “faca de dois gumes”, servindo tanto para melhorar as atividades humanas quanto para aumentar os riscos de privacidade. Nesse sentido, é tarefa dos pais acompanhar o que os jovens estão fazendo na rede. Mas como fazer isso sem começar um conflito com os filhos? Dicas como apostar na conversa, deixar os aparelhos em lugar comum da casa e instalar softwares facilitam o trabalho. Confira!

Supervisione as crianças

Não é indicado deixar as crianças usarem a internet livremente, uma vez que estão ainda mais expostas aos possíveis malefícios da prática. Para controlar o que elas veem no computador, fique de olho no que os pimpolhos curtem nos eletrônicos e deixe claro que eles estão livres para brincar no mundo online, desde que sob a sua supervisão.

Converse com o seu filho

A melhor maneira de tornar o meio digital seguro para os seus filhos é estar por dentro do que eles sabem sobre segurança na internet. Para isso, explique aos jovens como a tecnologia é ótima para fazer as tarefas da escola, por exemplo, mas também pode colocá-los em contato com pessoas más. Fazendo-os entender quais são os riscos, fica mais fácil determinar, com as crianças, os limites ao usar o computador e visitar sites.

Limite o tempo de acesso

Seguindo a mesma lógica, você pode determinar um limite de tempo para gastar com a internet, sobretudo durante a noite, por questão de segurança (uma vez que o número de pedófilos em ação na madrugada tende a ser maior) e saúde mental (já que passar longos períodos à frente da tela pode ser prejudicial para os pequenos).

Deixe aparelhos eletrônicos em áreas comuns

Outra dica importante para ter controle sobre o que seus filhos veem na internet é pedir que eles deixem o computador ou tablet em ambientes comuns da casa, o que amplia a tutela dos pais sobre o conteúdo acessado. Quando se trata de adolescentes, contudo, a regra pode ficar mais limitada. Ainda assim, sempre frequente o quarto do jovem e verifique em que sites ele está navegando e o que tem buscado nas redes.

Quais programas ajudam os pais a supervisionar o acesso das crianças à internet?

Existem diversos aplicativos que prometem rastrear a vida online dos seus filhos para garantir sucesso no desafio virtual de promover uma navegação segura. Cada programa, no entanto, tem uma maneira específica de monitorar os jovens a um preço definido, com opções de assinatura anual ou mensal.

Por exemplo, há aplicativos em que é possível bloquear sites e que restringem determinados downloads. Alguns eletrônicos, como o Galaxy Tab S, permitem ativar o modo infantil e se transformam em uma ferramenta com jogos infantis e outros materiais apropriados. Veremos outras opções de programas com esse tipo de função.

Free Facebook Monitoring

Esse programa é uma alternativa gratuita para jovens que burlam as regras e criam um perfil no Facebook. Especializado em monitorar as buscas nessa rede social, o Free Facebook Monitoring pode ser facilmente baixado no computador do seu lar. O primeiro passo é definir um intervalo de tempo para capturar a tela enquanto os seus filhos usam o site.

Depois, dê início ao monitoramento, defina uma senha de acesso ao programa e deixe-o em modo oculto. Após a utilização do Facebook, é possível rever as imagens no aplicativo e ter uma dimensão do que os seus filhos estão fazendo nas mídias sociais.

Norton Family Premier

Esse premiado software oferece para os responsáveis uma ampla variedade de recursos de controle e monitoração das crianças. Com ele, é possível saber quando seus filhos estão online e os sites que acessam por meio de uma ferramenta de notificação que avisa por e-mail sobre comportamentos de risco.

Além disso, você consegue definir limites de tempo ou agendar em que momentos do dia ou da semana as crianças têm permissão para usar o computador ou o celular.

Spyzie

Considerado um espião de celular, o Spyzie funciona a partir da instalação de seu aplicativo no celular dos pais e no celular das crianças. Com ele, é possível acompanhar as chamadas do telefone rastreado, ter acesso a mensagens, espiar o histórico de navegação e acessar toda a biblioteca de vídeos e fotos.

Uma das ferramentas mais surpreendentes desse aplicativo é a memória do teclado. Com ela, você consegue saber tudo o que foi digitado, permitindo, por exemplo, descobrir qual foi o último número discado.

Kids Place

Indicado para quem tem crianças pequenas, o Kids Place foi desenvolvido para você controlar as atividades do seu filho em seu smartphone. Seu principal recurso é proteger seus dados pessoais, restringindo atividades como baixar aplicativos, fazer chamadas telefônicas e enviar mensagens.

O aplicativo permite a criação de uma tela inicial personalizada apenas com as funções autorizadas, evitando, por exemplo, que seu filho compre e baixe aplicativos indesejados. Também é possível ativar um temporizador para bloquear o aparelho, impedindo que a criança passe tempo em excesso no eletrônico.

Neste artigo, você descobriu quais são os perigos que o ambiente virtual oferece ao seu filho e por que deve acompanhar o que ele faz na internet. Além disso, ficou por dentro das principais dicas — como deixar aparelhos em áreas comuns da casa e instalar softwares de monitoramento — para se atualizar sobre o que os jovens veem na web.

Agora que você tem em mente que a tecnologia traz desafios virtuais e sabe por que é importante estar a par da vida online dos seus filhos, assine nossa newsletter para se informar mais ainda sobre a educação deles!