disciplina positiva

Disciplina positiva: descubra como aplicá-la em casa e na escola

Os pais que querem educar seus filhos com responsabilidade e autonomia, sem repetir os erros das gerações anteriores, vão se interessar pelos princípios da disciplina positiva. A abordagem, que ganhou maior atenção nos últimos anos, também se mostra útil na construção de relações mais saudáveis e respeitosas no ambiente escolar.

A disciplina positiva parte de uma ideia simples, mas que nem sempre é colocada em prática. Ela considera que as crianças precisam de respeito, afeto e compreensão para aprender valores para toda a vida, assim como qualquer outra pessoa.

A abordagem não é um manual ou uma cartilha de “como educar os filhos”. Cada criança é única e tem particularidades que merecem atenção. A educação positiva, nesse mesmo sentido, estimula que pais e professores considerem as particularidades de cada uma delas para construir relações mais empáticas.

Para saber mais sobre a disciplina positiva, confira as informações que separamos abaixo.

O que é disciplina positiva?

O conceito de “disciplina positiva” ficou conhecido a partir dos estudos da psicóloga e educadora norte-americana Jane Nelsen, É uma abordagem que norteia a educação de crianças a partir de princípios como o respeito mútuo, o estímulo à autonomia e a promoção de uma boa saúde emocional.

Como funciona na prática?

A disciplina positiva se dá em situações de rotina, na convivência com as crianças. Os adultos são instruídos a partirem de uma perspectiva não punitiva e não violenta. É preciso, no caso de alguns lares, migrar de uma convivência ancorada no medo para uma ancorada no senso de comunidade, na colaboração e no respeito.

Abre-se mão dos gritos e das correções que não são antecedidas de alguma conexão afetiva com as crianças. A recompensa para gerar a mudança de comportamento é algo que também não é recomendado na disciplina positiva.

Em vez de frases como “se você completar a lição de casa, pode ficar mais 1 hora no videogame”, a criança é orientada a entender a importância de completar a lição de casa e se habituar a fazer isso.

Assim, as consequências da disciplina positiva não aparecem de imediato. É preciso dar tempo para uma criança formar novos hábitos e entender o que deve ser feito.

Os sentimentos das crianças são ouvidos e acolhidos, sem que isso signifique uma permissão para cometer atitudes erradas e prejudiciais para os outros. Na disciplina positiva, o diálogo é o norte que está por trás da capacidade de cooperar por boa vontade, e não precisar obedecer uma ordem por medo de julgamento ou algum tipo de recompensa.

 Por que é um modelo defendido por especialistas?

Agora, entenda alguns motivos que fazem da disciplina positiva uma abordagem tão querida e recomendada por psicólogos e educadores.

Promove a autonomia das crianças

A autonomia pode ser entendida como o sentimento de ser capaz de tomar decisões, superar desafios e lidar com as responsabilidades das suas escolhas. A disciplina positiva ajuda os adultos a darem amor para que as crianças se sintam encorajadas e desenvolvam esses atributos.

Estimula as habilidades socioemocionais

As crianças que convivem e crescem sob uma educação “autoritária”, que são constantemente julgadas e ameaçadas, podem sofrer impactos sérios na sua autoestima e no seu senso de pertencimento. Então, a disciplina positiva contribui para que as crianças cresçam com uma inteligência emocional promovida na família e na escola.

Por meio do diálogo e do respeito, é possível estimular habilidades socioemocionais que são importantes para todas as áreas da vida, como autogestão, autoestima, paciência e senso de responsabilidade.

Ajuda as famílias na educação das crianças e jovens

Educar crianças e jovens é difícil porque não existe um manual para isso. Há quem acabe pecando pela falta de atenção e controle, mas também há quem peque pelo excesso. Pais ultracontroladores e superprotetores, também chamados de “pais helicópteros”, podem se tornar um problema para o amadurecimento dos filhos.

Crianças que crescem superprotegidas podem apresentar dificuldades de lidar com o fracasso, com os desapontamentos e com a perda, aspectos inevitáveis na vida de qualquer pessoa.

A educação positiva, para evitar comportamentos como esses, é um conjunto de princípios que podem nortear as atitudes de pais e familiares, ajudando-os a educar as crianças com respeito e gentileza, sem deixar a firmeza de lado.

 Como aplicar a disciplina positiva?

Confira algumas dicas sobre o que pode ajudar a colocar em prática a disciplina positiva.

Ser um exemplo

As crianças pequenas aprendem muito vendo e imitando as pessoas que estão ao seu redor. Se elas crescem em ambientes contaminados por mentiras e agressividades, a tendência é que reproduzam esse tipo de comportamento. Então, um bom começo para colocar em prática a disciplina positiva é ser um exemplo para as crianças.

Não ignorar a criança

Nem sempre é possível estar disponível para conversas e prestar atenção em algo que a criança tem a mostrar. Porém, mesmo quando isso acontece, você pode demonstrar interesse explicando que o momento não é oportuno. Logo, quando surgir um tempinho, você pode buscar o diálogo.

O mais importante é praticar uma escuta ativa, não ignorar ou demonstrar desinteresse, pois esses comportamentos podem contribuir para sentimentos negativos.

Conhecer a si mesmo para ajudar as crianças

A disciplina positiva está muito ligada ao equilíbrio emocional que os próprios pais e educadores podem oferecer no desenvolvimento infantil. Por isso, pode ajudar investir no conhecimento de si mesmo para entender as motivações que levam a atitudes agressivas e punitivas sobre as crianças.

A ideia é que os adultos sejam capazes de pensar duas vezes antes de praticar atos impulsivos e automáticos e, dessa maneira, ajam de forma consciente.

Quais são os riscos de não aplicar a disciplina positiva?

Crianças que aprendem a lidar com suas emoções e atitudes desde cedo tendem a se tornar adultos menos agressivos e desrespeitosos.

As habilidades socioemocionais, quando trabalhadas logo na infância, tornam-se ferramentas importantes para evitar problemas como a baixa autoestima e a dificuldade de lidar com responsabilidades.

Chegamos ao final do post e esperamos que você tenha compreendido o que é a disciplina positiva e como você pode colocá-la em prática. Longe de ser um manual ou uma cartilha, vimos que essa é uma abordagem para o desenvolvimento de crianças que preza a autonomia, a autoestima e o senso de pertencimento.

É um assunto rico e que pode trazer à luz outras discussões importantes sobre educação de crianças e jovens. O que você acha? Deixe seu comentário aqui embaixo!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.