Educação moderna

Educação moderna: o que é e como se difere da educação tradicional

Já não é bem uma novidade que o mundo atual passa por constantes mudanças por conta dos avanços científicos e sociais. Isso, é claro, envolve igualmente as formas de aprender e de ensinar, que foram expressivamente alteradas com a chegada da educação moderna — ou educação 4.0, como é popularmente conhecida também. A renovação tem uma íntima relação com as novas tecnologias, que permitem uma experiência escolar mais completa e bem mais dinâmica.

Assim, a educação 4.0 envolve os seguintes pilares: o modelo sistêmico de avaliação do cenário atual e a estratégia a partir dele, a mudança no senso comum baseada em referenciais teóricos, a gestão do conhecimento dos estudantes e a cibercultura.

Dessa maneira, vimos que existe um “upgrade” na educação, que busca um melhor alinhamento com as características da sociedade moderna. Quer conhecer mais acerca dessas diferenças? Continue a leitura e veja o que mudou no novo cenário escolar!

Por que a metodologia tradicional ainda é predominantemente utilizada em algumas instituições de ensino?

Antes de abordar as distinções mais marcantes entre a educação moderna e a educação tradicional, vale pontuar por que há instituições de ensino que insistem em preservar a segunda e compreender por que esse modelo, via de regra, já não é mais tão interessante atualmente. Inicialmente, é importante dizer que, ainda que o método mais convencional de ensino seja visto como algo “ultrapassado”, alguns colégios acreditam que o formato é o mais recomendável para preservar um ambiente mais controlado e organizado.

Os contornos do modelo são bem diferentes da metodologia mais bem-vista nos dias de hoje, mas, certamente, assemelham-se bastante ao formato já conhecido pelos pais e responsáveis e visto como uma espécie de referencial, pois foi amplamente utilizado em outros tempos. Nesse sentido, esse é mais um dos pontos que algumas unidades levam em consideração e que as fazem optar por perpetuá-lo.

No entanto, a grande questão em se tratando da metodologia tradicional é que, nela, o corpo docente é o centro de tudo. Ou seja, os professores são aqueles que detêm todo o saber dentro da sala de aula e representam, nesse contexto, as “autoridades máximas”, cabendo a eles a responsabilidade de repassar aos discentes os conteúdos inerentes às disciplinas que compõem o currículo escolar.

Então, nas instituições de ensino que são adeptas ao método, os alunos acabam por desempenhar o papel passivo de meros ouvintes, o que vai de encontro às metodologias ativas e ao maior protagonismo do estudante no seu próprio processo de ensino-aprendizagem — elementos que, atualmente, já têm a significativa relevância reconhecida. Nesses ambientes, basicamente, os discentes recebem as informações transmitidas pelo professor e pouco participam de discussões e de debates voltados à construção do saber.

Em suma, a finalidade é desenvolver a capacidade intelectual dos jovens, em geral, por meio de:

  • memorização;
  • repetição de exercícios;
  • tarefas a serem feitas fora do ambiente escolar (o “dever de casa”) etc.

Há, então, uma alta moderação e uma grande regulagem, por parte dos educadores, do fluxo de conhecimentos e de informações. Assim, a participação ativa do alunado no próprio processo de aprendizagem é praticamente nula. As características mais comuns nesse método são:

  • a avaliação do alunado é quase integralmente efetuada de maneira separada do ensino e é praticamente inteiramente realizada por meio de provas e de testes;
  • as respostas corretas são buscadas pelo corpo docente para a validação da aprendizagem dos estudantes;
  • a ênfase da grade curricular está em habilidades básicas;
  • há uma alta valorização da estrita adesão ao currículo;
  • as informações repassadas pelo corpo docente aos alunos são sempre recebidas como “certas” — no sentido de não serem questionáveis;
  • há uma grande dependência de livros didáticos para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem.

Quais são as diferenças entre a educação moderna e a educação tradicional?

Com tantas mudanças na sociedade em que vivemos, entretanto, é de se esperar que a escola também se atualize, afinal, ela tem o papel de preparar as pessoas para a sua vida prática. Nesse sentido, a seguir, entenda algumas das principais transformações no ensino e qual é o impacto delas para os profissionais, para os estudantes e para a própria família.

Acesso dos alunos a diferentes oportunidades

A educação tradicional conta com um modelo de trabalho pouco dinâmico, como dito. As experiências dos estudantes acontecem apenas pelo contato com materiais teóricos, o que não permite uma vivência prática e uma participação mais ativa no aprendizado.

No caso do ensino moderno, o aluno pode contar com a oportunidade de “pôr a mão na massa”. Além disso, os recursos permitem conhecer lugares, voltar a períodos históricos ou observar estruturas biológicas apenas com o uso da tecnologia. Esse também é um modelo que favorece muito a interdisciplinaridade, o que é essencial para uma visão mais completa do que é estudado.

O avanço é sempre pautado por pesquisas de profissionais de diferentes áreas, que viabilizam o desenvolvimento de metodologias vantajosas para o aprendizado. Com isso, são criadas novas oportunidades para os estudantes, além de haver uma melhora na rotina escolar e no trabalho do educador.

Uso das novas tecnologias

Como vimos, na educação 4.0, a tecnologia tem um papel essencial. Ela já é parte da nossa sociedade e isso precisa ser levado também para o ambiente escolar. Nesse sentido, compreende-se que a educação não deve estar desconectada do mundo fora dos limites físicos da instituição de ensino, portanto, ela deve, sim, acompanhar os seus avanços.

A tecnologia permite o uso de novas metodologias de ensino, além do desenvolvimento de capacidades vistas como fundamentais atualmente. Com isso, é possível tornar o ensino mais atraente e mais inclusivo, pois as ferramentas modernas garantem uma personalização maior das atividades para acompanhar as necessidades específicas dos estudantes.

O bom uso dos recursos modernos, inclusive, proporciona experiências imersivas no aprendizado. O estudante pode, por exemplo, aprender sobre a criação de jogos para colocar em prática o que viu nas matérias. Assim, são geradas conexões e executadas aplicações do que foi estudado, o que melhora muito a fixação.

Desenvolvimento e criação de habilidades

Anteriormente, era considerada uma função da escola apenas o ensino teórico das matérias básicas — o que é ainda bastante perpetuado no modelo tradicional. Contudo, hoje, existe uma compreensão de que o desenvolvimento integral do aluno também é importante e deve ser uma preocupação das instituições de ensino.

Nesse sentido, o estímulo à formação de habilidades essenciais para a vida na sociedade moderna deve ser contemplado nas metodologias educativas. O discente deixa de ser visto como um número de chamada e passa a ser valorizado como um sujeito em desenvolvimento, ou seja, que precisa dos estímulos adequados para que isso aconteça em sua plenitude.

Assim, o que é aprendido na escola precisa ser possível de ser aplicado na realidade prática dos estudantes. O tema é tão importante que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) destaca quais são as habilidades e as competências que precisam ser desenvolvidas em cada etapa do ensino, bem como os caminhos para que isso seja feito. Assim, não se trata de envolver apenas as habilidades de raciocínio, mas também as relações consigo mesmo e com as outras pessoas.

Maior participação dos alunos

As novas metodologias de ensino consideram o aluno como o protagonista no seu desenvolvimento. Assim, ele age de maneira autônoma em seus estudos e tem uma participação mais efetiva nas aulas. A tendência do movimento maker, em que os jovens experimentam o papel de inventores, é um excelente exemplo disso.

As metodologias de ensino ativas, que são mais centradas no estudante, exercem um papel importante. Nesse contexto, o professor atua como um mediador entre o aluno e o conhecimento, guiando o seu aprendizado. Com isso, os estudos se tornam mais profundos e mais motivadores, pois são apresentados de maneira instigante.

Dessa forma, cada aluno é uma peça fundamental para que a educação efetivamente aconteça. Ela é construída coletivamente, com a participação de toda a turma. Alguns tipos de metodologias ativas são as aulas por projetos, a aprendizagem baseada em problemas e os estudos de caso.

O ensino moderno substitui o tradicional?

Como vimos, existem muitas mudanças importantes do ensino moderno em relação ao que se praticava há algum tempo. Fica a questão: o ensino de antes deve ser abandonado em nome das novas práticas?

Para se modernizar, é imperativo que a escola compreenda a necessidade de acompanhar as alterações da sociedade, sem perder a sua identidade e a sua tradição. O ensino baseado em valores, por exemplo, é algo que continua sendo essencial, mesmo em um contexto 4.0.

O Colégio Arnaldo adota, em sua prática de ensino, os cursos de Programação, a exploração de ferramentas tecnológicas de maneira consciente e o emprego de determinadas aplicações, como o Google for Education. Além disso, houve uma adaptação à necessidade de oferecer aulas online para atender às demandas do momento.

O fundamental, a bem da verdade, é que a instituição sempre analise o seu papel na formação da sociedade e de que forma o seu ensino pode ser ajustado no intuito de oferecer o melhor aos alunos e à sua família. Isso é um cuidado constante do Colégio Arnaldo.

Portanto, como visto, a educação moderna envolve um olhar para o seu processo de ensino-aprendizagem e também para o que a sociedade precisa. Em determinadas situações, como as circunstâncias mais recentes, que envolvem a necessidade de isolamento social, é fundamental encontrar soluções eficazes e criativas a partir dos recursos que temos à nossa disposição, fruto dos avanços científicos.

Agora, que tal conhecer mais sobre o ensino do Colégio Arnaldo e descobrir como podemos oferecer o melhor para a sua família? Curta a nossa página no Facebook, acompanhe as nossas publicações e entenda mais sobre as nossas metodologias!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

1 Comentário

  1. É fundamental que nos pais devemos acompanhar tudo que nossos filhos menores fazem na Internet, por isso no celular do meu filho tem um programa que me permite ver tudo que ele esta fazendo na internet ou no celular, eu recomendo usarem é muito bom para proteger os filhos. https://brunoespiao.com.br/espiao-de-facebook

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.