mulheres que mudaram a educação

8 mulheres que mudaram a educação e revolucionaram o mundo

Ao longo da história, as mulheres que mudaram a educação fizeram — e continuam fazendo — contribuições para a transformação do mundo e da maneira como pensamos a sociedade. Com reflexões em várias áreas do conhecimento, elas são exemplos para professores, estudantes e qualquer um que queira celebrar a partilha do conhecimento.

Ainda hoje, quando se fala em grandes intelectuais, não são citadas muitas mulheres. É comum ouvir alguns nomes, como Paulo Freire, Augusto Comte, Henri Wallon e tantos outros, quando, na verdade, existe uma colaboração feminina significativa ao longo da história do ensino.

Então, resolvemos trazer para você um pouco sobre oito mulheres que mudaram a educação e revolucionaram o mundo. São personalidades nacionais e estrangeiras que continuam relevantes para a coletividade atual. Entre na viagem!

1. Marie Curie (1867-1934)

Marie Sklodowska Curie (ou Marie Curie) foi uma cientista polonesa formada em Matemática e Física, na Universidade de Sorbonne, França. Junto ao seu marido, Pierre Curie, ela foi responsável pela descoberta dos elementos químicos Polônio e Rádio, uma conquista científica que permitiu o início das pesquisas sobre radioatividade.

Em uma época em que a ciência era dominada por homens, Marie Curie marcou a história ao ser a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel — em 1903, ela recebeu o Nobel de Física. Oito anos depois, também conquistou o de Química, tornando-se a primeira pessoa a recebê-lo duas vezes.

2. Hannah Arendt (1906-1975)

Hannah Arendt foi uma filósofa e teórica política extremamente influente do século XX. Ela era alemã e, por causa das barbaridades do regime nazista, deixou o seu país de origem, mudando-se para a França. Posteriormente, foi para os Estados Unidos, onde se naturalizou americana em 1951.

Antes de fugir para a França, Hannah Arendt escrevia a sua tese de doutorado “O Conceito de Amor em Santo Agostinho”. No entanto, as suas reflexões entraram para a história quando, em 1951, ela publicou “As Origens do Totalitarismo”, livro em que se dedica a entender as origens e as emoções envolvidas no fenômeno totalitário do século XX.

3. Antonieta de Barros (1901-1952)

Antonieta de Barros foi uma jornalista, diretora do jornal A semana, professora e a primeira mulher negra eleita deputada no Brasil. Filha de uma lavadeira e escrava liberta com um jardineiro, ela nasceu 13 anos após o fim da escravidão no país e, desde muito cedo, buscou o extraordinário para fugir do destino concedido às jovens negras da época.

Em um contexto de falta de oportunidades e de direitos alarmante, Antonieta de Barros fundou, em 1922, o curso de Alfabetização Antonieta de Barros na sua própria casa. As aulas eram dirigidas por ela, dedicação que lhe deu o merecido respeito até o fim da sua vida.

4. Maria Montessori (1870-1952)

Maria Montessori foi uma médica e pedagoga, que, com razão, é um dos principais nomes quando o assunto é Educação Infantil. Primeira mulher a se formar em Medicina na Itália, ela foi também pioneira na Pedagogia ao enfatizar a autonomia e o protagonismo do aluno, e não a figura do professor como fonte de conhecimento.

Hoje, o método Montessori é conhecido pela concepção de que a educação é muito mais que o acúmulo de informações por parte dos alunos. Nas escolas montessorianas, o ensino se baseia na noção de que os estudantes aprendem melhor com a experiência direta de procura e descoberta.

5. Cecília Meireles (1901-1964)

Cecília Meireles foi uma poeta, jornalista e professora, considerada uma das mais importantes escritoras do Brasil. Muitos, no entanto, ainda não conhecem as suas grandes contribuições para a educação, em uma época em que a voz da mulher era silenciada por muitos, principalmente nas discussões políticas.

Cecília foi participante do Movimento dos Pioneiros da Educação pela Escola Nova, da década de 1930, que buscava uma educação pública, gratuita e laica para todos. Ela também se envolveu em diversos movimentos culturais da época, fez várias publicações sobre educação em jornais e organizou, em 1935, a primeira biblioteca infantil do país. 

6. Ana Mae Barbosa (1936)

Ana Mae Tavares Bastos Barbosa é uma educadora, pioneira no método de ensinar por meio da arte (arte-educação), com a sua Proposta Triangular, que se baseia em três princípios: conhecer a história, conhecer o fazer artístico e apreciar obras de arte.

Ana Mae foi curadora de exposições, palestrou em diversos países e lecionou em universidades americanas e inglesas. Ela foi contemplada com o título de doutora honoris causa pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba), além de ser considerada Ícone da Educação pelo Instituto Europeu de Design. Atualmente, é professora titular aposentada da Universidade de São Paulo (USP).

7. Dorina Nowill (1919-2010)

Dorina Nowill foi uma educadora brasileira cega que criou, em 1946, a Fundação Dorina Nowill, inicialmente chamada de Fundação para o Livro do Cego no Brasil. Desde a sua inauguração, a organização sem fins lucrativos já produziu mais de 6 mil livros adaptados, 2.700 audiolivros e 900 títulos digitais.

Antes de criar a fundação, Dorina foi para os Estados Unidos fazer o curso Teacher’s College, da Universidade de Columbia, o que resultou na sua especialização em educação para cegos. Chegando ao Brasil, ela convenceu a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo a criar o Departamento de Educação Especial para Cegos, no ano de 1947.

8. Anne Sullivan (1866-1936)

Anne Sullivan foi uma professora norte-americana cega que ficou conhecida quando foi professora de Helen Keller, uma mulher surda-cega para quem ensinou a língua de sinais por meio do tato. Antes, ela recuperou parte da visão depois de passar por várias operações e se formar, em 1886, no Instituto Perkins para Cegos, nos Estados Unidos.

O encontro de Anne Sullivan com Keller, quando ela ainda tinha sete anos de idade, foi transformador: depois de três anos, a menina já dominava o Braille e o alfabeto dos surdos.

Neste post, você conheceu um pouco sobre oito mulheres que mudaram a educação em várias áreas do conhecimento. Essas são apenas algumas das personalidades que ajudaram na construção de um ensino humanizado para todos. Que tal conferir as sugestões de leitura para ampliar a sua estante de livros? Aproveite para aprofundar os seus conhecimentos!

Se você gostou de conhecer as mulheres que mudaram a educação, curta a fanpage do Colégio Arnaldo no Facebook. Assim, será possível acompanhar outras dicas e novidades sobre organização dos estudos, vida escolar e educação.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.