Jovens precisam aprender desde cedo a encontrar soluções para os problemas, e a escola tem muito a contribuir nessa etapa, principalmente com o auxílio da tecnologia. Nesse sentido, você sabe qual é a tendência para a educação mundial? Neste texto, entenda o que é e como o pensamento computacional tem ampliado o raciocínio de crianças e adolescentes.

Esse tipo de pensamento está no documento que regula a educação nacional e se desenvolve nas melhores escolas do país após ótimos resultados nos Estados Unidos e na Europa. Na prática, a metodologia envolve a capacidade humana de raciocinar, a habilidade de organizar os conceitos, a diversidade dos programadores e a combinação da objeção matemática com a engenharia.

A seguir, descubra também como o ensino tem se atualizado cada vez mais para se adequar às necessidades de aprendizado e quais são as habilidades desenvolvidas pela Aprendizagem Maker que se refletem tanto em pequenas quanto em grandes ações. Comece a leitura agora mesmo e fique por dentro do assunto! 

Como a educação tem se atualizado para melhorar aprendizado?

Não é de hoje que a ciência amplia a relação entre a tecnologia e a educação. Desde a década de 1980, são desenvolvidas ferramentas para incentivar a aprendizagem por meio da máquina e da linguagem de computação, um desafio que está se tornando cada vez mais real devido à desafiadora comunicação digital e aos requisitos do mercado de trabalho.

Entre as inovações pedagógicas, está a aprendizagem focada em Aprendizagem Maker. Já ouviu falar sobre o tema? Saiba que essa é uma realidade do ensino público e do colégio particular em países desenvolvidos, a exemplo da Finlândia, dos Estados Unidos e da Espanha, em que o método é trabalhado na educação básica com os alunos.

No Brasil, alguns dos melhores colégios começam a implantar nas salas de aulas essa experiência que promete trazer solução para problemas diferentes. Atualmente, a Aprendizagem Maker faz parte da Base Nacional Curricular Comum, documento que define o que deve entrar nos requisitos curriculares dos estudantes em todo país.

Por esse viés, não é necessário que haja uma nova disciplina sobre pensamento computacional nos colégios, mas é importante que esse conceito seja passado para a turma de forma multidisciplinar no conteúdo das outras matérias escolares.

Na Base Nacional Curricular Comum, o conceito se associa, por exemplo, à matemática, uma vez que pode ser uma estratégia interessante para converter problemas em outros formatos (sejam gráficos, sejam tabelas, sejam fórmulas).

O que é Aprendizagem Maker ou pensamento computacional?

A cada ano, a educação traz novas soluções para estimular o aprendizado dos estudantes e a Aprendizagem Maker pode ser bastante útil nessa tarefa. Porém, muita gente não sabe o que essa expressão quer dizer.

Para responder à dúvida, Aprendizagem Maker se relaciona a uma prática de ensino que desenvolve a programação no computador, estruturando e desenvolvendo resultados em diferentes linguagens. De forma ampla, programar tem a ver com criar soluções, a exemplo de aplicativos digitais, jogos e animações.

O pensamento computacional pode parecer complicado à primeira vista, mas a verdade é que constitui uma metodologia que ajuda a melhorar situações difíceis de forma criativa e eficiente ao ensinar o reconhecimento de padrões, detecção de erros e remodelagem de problemas.

Ainda que haja uma relação entre a Aprendizagem Maker e a programação, é importante lembrar que o primeiro se caracteriza pela conceptualização, que é a capacidade de organizar os conceitos. Além disso, a habilidade de pessoas de todos os lugares, a forma humana de raciocinar e o pensamento híbrido entre a matemática e a engenharia definem esse método revolucionário.

Para se ter ideia do funcionamento do pensamento computacional, costuma-se relacionar a tecnologia a quatro importantes pontos:

  1. inicialmente, nessa fase chamada de Decomposição, há uma quebra do problema complexo em fragmentos com resoluções mais simples;
  2. depois, começa-se a reconhecer padrões entre processos similares, o que ajuda a resolver o impasse;
  3. envolve-se nessa etapa a análise dos elementos mais relevantes para o caso (a chamada técnica da abstração), sem deixar se influenciar por pormenores;
  4. por fim, criam-se regras por meio de algoritmos para finalizar o processo.

Especialistas veem com bons olhos a Aprendizagem Maker, que inicia as crianças na era digital e as prepara para lidar com as ferramentas atuais e, o melhor, ainda auxilia os pequenos a desenvolver novas tecnologias para o futuro.

Esse tipo de pensamento pode mesclar equipamentos de última geração com ensino lúdico fora do mundo digital. Em todo caso, o importante é exercitar o raciocínio e a linguagem de computação. Os benefícios desse mecanismo são inúmeros!

Que habilidades são desenvolvidas por essa tecnologia?

Não é por menos que a Aprendizagem Maker está na base curricular das escolas brasileiras. A prática estimula muitas competências entre os alunos, a começar pela criatividade e o raciocínio ágil, que são pulsados por essa nova linguagem. Nas aulas, os estudantes percebem padrões e veem divergências entre os comandos, sendo desafiados a propor um novo olhar sobre a situação.

Por outro lado, utilizar ferramentas tecnológicas aumenta a inclusão dos jovens no mundo digital, possibilitando uma vivência avançada na interação com as máquinas e ressignificando as práticas sociais com a família e os colegas. 

A partir do domínio da Aprendizagem Maker, os jovens conseguem encontrar novos caminhos para solucionar velhos problemas no computador de forma mais autônoma e independente.

Para que seu filho aprenda desde cedo com a linguagem computacional, é preciso que a escola em que estuda invista nesse tipo de conhecimento. O Colégio Arnaldo, que é uma referência em educação em Belo Horizonte, está de olho nessa tendência mundial e trabalha o pensamento computacional com uso de programação na formação das crianças e dos adolescentes.

Neste texto, você entendeu o que é Aprendizagem Maker ou pensamento computacional, um método para resolução de problemas que consiste em reconhecer padrões, analisar modelos, detectar erros e propor soluções eficazes. A metodologia deve estar no currículo dos estudantes nacionais porque ajuda os jovens a ter raciocínio mais dinâmico.

Gostou deste conteúdo sobre pensamento computacional e quer investir na educação digital do seu filho? Não perca tempo: entre em contato com o Colégio Arnaldo e saiba mais detalhes sobre a proposta pedagógica e os recursos tecnológicos da instituição.

Powered by Rock Convert