reprovação escolar

Reprovação escolar: o que fazer quando o filho não passa de ano?

O final de um ano letivo é muito aguardado pelos estudantes, afinal, todos se dedicam ao longo dos meses para avançar nos estudos. Entretanto, para alguns pais e alunos, essa espera pode ser sinônimo de muita frustração. Enquanto o medo e o constrangimento podem tomar conta das crianças, é natural que os pais se sintam desapontados pela falta de sucesso dos filhos.

A reprovação escolar não é consequência de um ato único, e sim o resultado de um ano inteiro em que a criança teve dificuldade de aprendizado, seja por desinteresse, seja por falta de concentração, seja por problemas emocionais. Por isso, é fundamental que as famílias façam um acompanhamento mais próximo durante todo o tempo.

No entanto, como reagir à reprovação escolar? Para respondermos a essa pergunta, vamos explicar os principais motivos dessa situação e algumas dicas para ajudá-lo a lidar com ela. Ficou interessado? Então, continue a sua leitura e entenda melhor o que deve ser feito quando o seu filho é reprovado na escola.

Quais são os principais motivos da reprovação escolar?

A reprovação é uma situação delicada, que quase sempre está relacionada a uma série de fatores que dizem respeito não só ao aluno, mas também às práticas de ensino. Veja, a seguir, possíveis causas para os casos de reprovação escolar.

Métodos de avaliação desgastados

Você sabe como os professores avaliam o desempenho do seu filho? Essa é uma reflexão válida quando é preciso descobrir o que o levou à reprovação escolar. Um bom conjunto de métodos de avaliação vai muito além de provas tradicionais e inclui, por exemplo, a consideração sobre a produtividade, a frequência e a participação do aluno.

Quando a escola aposta em uma avaliação contínua e humanizada, na qual os estudantes são acompanhados de perto, os resultados tendem a ser melhores. As habilidades das crianças e dos jovens podem ficar inibidas em provas de caráter totalmente quantitativo. Por isso, a causa da reprovação pode estar na própria avaliação da escola.

Falta de participação em aulas e monitorias

A participação do aluno na sala de aula é um dos métodos considerados por muitos professores na hora da avaliação escolar. Até mesmo os alunos mais tímidos sentem que a interação com professores e colegas de turma torna o aprendizado mais leve e rápido, o que também pode acontecer naturalmente quando eles estão inteirados com os assuntos.

Muitas escolas chegam a oferecer aulas de monitorias para estimular a participação dos alunos e fazer com que eles tirem dúvidas. Porém, há aqueles que não aproveitam esses momentos, o que pode indicar para os professores um desinteresse que precisa ser considerado na avaliação.

Problemas em casa

Questões familiares estão entre as principais causas do mau desempenho dos alunos. Isso acontece porque o processo de aprendizagem não está restrito ao ambiente escolar (à interação com os professores e com os demais estudantes). As crianças e os jovens precisam voltar para casa e saber que lá terão o conforto e o apoio de que precisam para se manterem motivados.

Quando isso não acontece, em lares com discussões frequentes, por exemplo, é provável que os pais não dediquem a atenção necessária para a vida escolar do aluno, o que pode fazer com que ele se sinta desmotivado para alcançar ou manter um alto rendimento.

Dificuldades específicas de aprendizagem

É normal que os alunos apresentem dificuldades de aprender assuntos de determinadas áreas do conhecimento. Isso acontece, principalmente, em Matemática ou Português (ou Interpretação de Texto). Nesses casos, a solução pode vir com aulas de reforço. No entanto, se a dificuldade persistir, é preciso investigar mais a fundo para saber se o estudante não passa por transtornos, como o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (DDA).

Bullying

Crianças e jovens que sofrem com violência física ou psicológica no ambiente escolar têm os seus resultados profundamente afetados. A sensação de desconforto e de medo pode impedir que eles se concentrem na sala de aula ou, até mesmo, que consigam estudar com tranquilidade quando estão protegidos em casa.

O que fazer diante da reprovação escolar?

Vimos que os motivos para que ocorra uma reprovação escolar podem ser os mais diversos possíveis, como bullying, problemas familiares ou mesmo uma didática desinteressante usada na sala de aula. Vale reforçar que isso não quer dizer que o seu filho é incapaz ou “burro”. Aliás, é justamente esse pensamento que pode piorar ainda mais a situação.

Quando a criança é reprovada na escola, ela se sente muito mal sabendo que todo o ano letivo precisará ser refeito nos próximos meses. Por isso, criticar ao invés de apoiar só fará com que o seu filho se sinta ainda pior. O apoio deve surgir por meio da família, porém, a escola também precisa compreender o que acontece e por que o estudante não rendeu como deveria.

Procure pela causa do problema

Se o seu filho for reprovado, o primeiro passo é encontrar o que causou tal resultado. A situação só poderá ser revertida no próximo ano se o motivo do problema for identificado. Será que a criança nunca expressou que estava enfrentando problemas ou a escola nunca comunicou a família sobre o mau desempenho do aluno?

Depois de identificado onde houve a falha na comunicação, se na escola ou em casa, é preciso que a família investigue a fundo para compreender o que aconteceu. Como vimos, o seu filho pode estar sofrendo bullying, perdendo aulas sem que você saiba ou, ainda, não estar interessado na didática que é usada na escola.

Mantenha um diálogo saudável

Para encontrar a causa da reprovação escolar, é preciso que a família converse com a criança de forma amigável. Depois que o seu filho reprovar de ano, de nada vai adiantar gritar, ofender ou castigar. Por isso mesmo é que é importante que o diálogo seja sempre amigável entre os pais e os estudantes durante todo o tempo.

Talvez o seu filho não tenha contado antes que poderia repetir o ano justamente por medo da represália que enfrentaria. Afinal, ninguém quer chegar à sua casa com um boletim recheado de notas baixas e ouvir sermão dos pais, não é mesmo? Se a criança souber que será compreendida e terá o apoio da família em relação ao seu mau desempenho, será muito mais fácil procurar por ajuda.

Um diálogo saudável também deve servir para que a criança compreenda quais serão as consequências da reprovação em sua vida escolar. Ou seja, é importante que o aluno entenda que os seus amigos não estarão mais na mesma classe, que todas as aulas precisarão ser refeitas, entre outras consequências. Entretanto, essas informações devem ser discutidas de maneira explicativa e não de forma que a criança se sinta rebaixada.

Auxilie-o no aprendizado

Quando acontece a reprovação escolar, o estudante precisa se sentir apoiado pela família e também pela escola. Por isso, no ano seguinte, a melhor atitude que a família e os professores podem tomar é acompanhar o desenvolvimento e o aprendizado da criança de perto. Se o seu filho reprovou de ano por ter dificuldade em Matemática, por exemplo, no próximo, tente ajudá-lo, principalmente nessa disciplina.

Talvez você mesmo nem se lembre mais do conteúdo que ele está estudando, no entanto, o apoio familiar já é o suficiente para auxiliá-lo a enfrentar diversas dificuldades. O ideal é tirar um tempo para estudar com ele durante todo o ano letivo.

Além disso, vale lembrar que toda criança e todo adolescente precisam de momentos de lazer e descontração. Assim, não deixe de passear com o seu filho e permitir que ele tenha momentos de descanso. Lembre-se de que isso auxilia o aluno a fixar o conhecimento absorvido na sala de aula.

Crie novos hábitos

Um ano inteiro se passou e o seu filho não teve um bom desenvolvimento escolar. Por isso, na hora de cursar novamente todas as disciplinas, tente criar novos hábitos. Traga o assunto para a conversa e organize a rotina de seu filho de outra forma. Experimente, por exemplo, criar horários de estudo e recompensas ou organizar os materiais de outra maneira. Qualquer mudança pode ser positiva!

Caso você compreenda que a criança reprovou por conta da didática desinteressante, da falta de apoio ou do desentendimento com os colegas da sala, analise se esse não é o momento de trocar o seu filho de escola. Talvez uma nova instituição com educação humanizada, atendimento personalizado, com novos amigos, professores e aulas mais interessantes, pode fazer com que ele se sinta mais motivado.

Acompanhe de perto a sua rotina escolar

Tão importante quanto saber se o seu filho está comendo e dormindo bem é saber como está o seu comportamento na escola. Portanto, além de conversar abertamente sobre o assunto, os pais precisam participar ativamente das responsabilidades escolares. É fundamental estar presente nas reuniões e dialogar com os professores e com outros pais de colegas.

Já em casa, é preciso acompanhar as lições, estudar junto, saber quando há provas ou trabalhos para entregar etc., demonstrando que você está interessado e se preocupa com a rotina dele na escola. Acompanhando de perto o desempenho do aluno, fica mais fácil identificar quaisquer problemas que possam voltar a acontecer.

Uma reprovação escolar é sempre difícil para todos, principalmente para o aluno. Nesse momento tão delicado, é importante que o estudante não seja desestimulado para que o aprendizado não se torne ainda mais complicado no ano letivo seguinte. Lembre-se de que a educação das crianças e dos adolescentes deve fazer parte da vida dos pais.

Gostou das dicas que separamos hoje para a sua família? Então, que tal nos seguir nas redes sociais? Dessa forma, você poderá ter acesso a vários outros conteúdos interessantes para o desenvolvimento educacional de seu filho. Estamos no Facebook, no Instagram, no YouTube e no Flickr.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.